• Kenya Aline

COVID-19 E A QUARENTENA

Atualizado: Jun 28


Quais são os efeitos psicológicos da quarentena? O nosso corpo reage neurofisiológicamente aos nossos estados mentais, cada pessoa consegue materializar em sintoma físico a qualidade do nosso estado psicológico.

Há uma ligação direta e sistêmica entre a mente, o corpo, a alma e o espírito. Medo, ansiedade, insegurança, stress, angustia, etc em excesso intoxicam o nosso organismo.


"A conseqüência previsível para incidentes traumáticos e provocadores de ansiedade envolve hiper-excitação no sistema nervoso, levando a reações de luta, fuga, congelamento, hipervigilância ou submissão mediadas pela amígdala. O congelamento foi considerado o preço psicológico mais grave de experiências estressantes ou traumáticas anteriores e tem sido o principal preditor de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Esse conjunto de respostas, especialmente o congelamento, compromete o desenvolvimento do cérebro e as funções neuroendócrinas necessárias. Os sintomas de estresse "podem se acumular e aumentar com a exposição a vários eventos e atingir um grau em que os sintomas se tornam um distúrbio" (p. 5). Assim, indivíduos traumatizados ou estressados ​​podem experimentar seu tempo livre como tempo de ansiedade e podem ser incapazes de se satisfazer com o presente e, portanto, precisam de ajuda para encontrar calma e felicidade dentro de si. O medo intenso é básico em traumas que provocam alterações endócrinas, comprometimento da função imunológica, ansiedade generalizada e distorções cognitivas, levando a dificuldades para ignorar o que não é importante e selecionar apenas o que é mais relevante."***


Acredito que a quarentena tem sim evitado a contaminação rápida e em massa pelo COIVD-19. Porém o processo de ansiedade que o confinamento tem gerado em parte da população tem intoxicado organismo e tem muita gente sofrendo as consequências físicas e mentais de nossos estados psicológicos. Cada pessoa manifesta esses sintomas de forma diferente: dor de cabeça, alergias, asma, labirintite e até manifestações psicológicas graves como tentativas de auto-extermínio, violências domestica, etc. De fato, o nosso organismo adoece em sintonia ao nosso psicológico desequilibrado. E esse desequilíbrio manifesta sim, em forma de doença. Nesse aspecto entramos em um dilema, deparamos com a dualidade que trás esse tal de CORONA.


Doença, pandemias e epidemias sempre existiram e vão existir, a diferença é que não estamos mais em 1500 na qual pandemias que avassalam e dizimam populações não são notificadas online, via whatsapp e outros de forma global. Agora é 2020, compartilhamos tudo porque somos a geração "big brother" das selfies, do narcisismo e da vida de lives.


Nesse ano escolhemos compartilhar majoritariamente o medo, a angustia, a paranóia de forma mundial. A doença SEMPRE existiu e a busca pela cura também, e tudo bem, o que não existia era essa forma tão rápida e bem estruturada de compartilhar as notícias e informações. Por isso, hoje as pandemias e a vida no geral, espalham o medo e o sofrimento altruísta em escala global e menos individual e local.


E assim, cada vez mais nos tornamos a sociedade "Rivotril", com altos níveis de ansiedade e depressão, o corpo cada vez mais adoecido pelo desequilíbrio da mente. Liberdade e a rapidez com que a informação chega é boa, mas podemos ser filtro daquilo que lemos, escrevemos e compartilhamos.


Citação: *** Integrative Therapies in Anxiety Treatment with Special Emphasis on the Gut Microbiome


Sugestão: Ayn Rand - Individualismo vs. Altruísmo (legendado)


Embu das Artes - SP, Brasil

(11)9417756851

©2016 by Comida que cura.