• Thiago Massara

Em corpo porco, a mente mente

Promete, se alimente.




Reclamões! Gente que come mal reclama da vida, e tem motivo pra reclamar! Quando comemos algo ruim para nossa saúde, o corpo avisa na hora - a mente também. O alimento pesado, gordo, difícil de mastigar, nojento, etc, carrega essas características no próprio nome. Classificações de alimentos quanto aos benefícios para a saúde estão no cheiro, no visual, no som, no conhecimento, na sabedoria e no paladar das pessoas. O alimento vai te avisar pra que serve mais tarde também - em sua mente e corpo. Você já parou para pensar como se sente algum tempo depois das refeições?


Importante lembrar aqui que alimento não é só o que comemos - se estende ao que vemos, ao que ouvimos, ao que sentimos, ao que respiramos e ao que imaginamos. Nos alimentamos de impressões, e essas podem ser relacionadas a todos os nossos sentidos. Olhar um quadro ou observar a natureza é se alimentar daquilo. Contemplar implica não só em se alimentar, mas digerir uma imagem. Ouvir um música é se alimentar pelos ouvidos. Concentrar na música é incorporar aquele som e sentir a emoção, compreender a linguagem. Ler um bom livro alimenta sua imaginação, seu conhecimento, transmite sabedoria, alimenta o seu cérebro.


Ao pensar em formas de se alimentar melhor, levamos tudo que foi dito em consideração e mapeamos certas disciplinas que nutrem o corpo e a mente.


  • Consumir alimentos com cores vivas, cheiros atraentes, sabores interessantes, que a sabedoria indica e que conhecemos ter boas propriedades. Na dúvida, não coma! Buscar mais consciência na forma de mastigar, nos sentidos e novas informações. Não se alimentar também é importante - a hora certa de se comer é quando temos a junção de: fome e bons alimentos disponíveis. A diferença entre o veneno e o remédio é a medida.

  • Ouvir músicas diversas, simples e complexas, felizes e tristes, de vários estilos, contanto que agradem principalmente seus ouvidos e seu sentimento. Dê espaço para a música ou para a contemplação do som. Quando for ouvir, ouça com atenção e tente não se dispersar. Existe música mais ou menos orgânica, mais ou menos colorida, mais ou menos nutritiva. Importante também não ouvir tanta música - o som interno é tão importante de ser ouvido quanto o externo.

  • Contemplar a natureza e a cidade. Busque pela beleza, encontre-a mesmo se for difícil encontrar. Trabalhe a história daquela imagem, e se alimente, se inspire com o objeto que vê. Observe um quadro, um desenho, ou uma flor, o oceano. Não deixe que um banquete passe a sua frente como se fosse um lanche rápido. Na falta de impressões, o ser humano descobre que possui uma ótima ferramenta de escape: a imaginação. Assim como o som interno, criamos imagens internas, e as fazemos como quisermos. Uma dose diária de boas visualizações e contemplações alimenta a vida.

  • Receba a luz do sol e o calor. Receba a lua e o frio. Sinta o amor por si mesmo e pelos outros. Sinta seu corpo diariamente, olhe-o no espelho e coloque as partes em seus devidos lugares. Alongue-se. Perceba a temperatura do local e o seu batimento cardíaco. Qual o seu sentimento hoje? Qual a nota de hoje, quem som tem? Qual a cor do dia, o tom?

  • Respire o ar, esse importante alimento. O ar que entra e nos nutre, sai e nutre a vida.


Relaxe os músculos, relaxa sua face, respire com tranquilidade e vigor. Alimente o planeta de um ar processado de bons pensamentos e emoções. O ar que entra vai para os pulmões, e este está bem próximo do coração. É o nosso canal de troca constante com o resto do planeta. Respirar o ar, digeri-lo, senti-lo, ouvi-lo… isso é estar vivo.


Por fim, toda impressão é um alimento. No entanto, precisamos ainda nos acostumar a digerir certos tipos de impressões, assim como uma pessoa que se alimenta mal a vida toda não consegue se alimentar melhor por não gostar de alimentos saudáveis. Com a observação e o sofrimento, logo compreendemos e então deixamos de ser vítimas de circunstâncias. Uma vez percebidos os benefícios de uma boa alimentação, nosso comportamento muda. E é interessante notar que quando temos um hábito ruim, conseguimos combatê-lo não só pela nossa percepção, mas pela sabedoria de outros. O sentir e o saber são igualmente importantes.


O corpo influencia a mente, a mente influencia o corpo. Ambos influenciam o ambiente e o ambiente influencia ambos. Cada um com suas impressões. Não importa como será o restante do seu dia, garanta que, ao começá-lo, você alimente propriamente seu corpo nos mais variados aspectos.


Dica de rotina:

  1. Respirar fundo 30 vezes, concentrado na respiração. Qual o cheiro do ar? Qual a temperatura do ar? Qual o som da respiração? Qual o gosto do ar? Em qual posição respiro melhor? Deixar o corpo respirar livremente e observar.

  2. Alongar o corpo, exercitá-lo e observá-lo ao espelho. Coloque-o sob pressão sem choques - banho frio, flexões, barras, ioga, dança, caminhadas ou natação.

  3. Visualize algo lindo, uma linda paisagem, sinta bons sentimentos, diga a si mesmo boas palavras. Alimente-se de boas visualizações.

  4. Ouça o ambiente. Observe. Imagine uma música, componha em sua mente. Ouça uma música com atenção. Busque silêncio.

  5. Abra os olhos e agradeça.

"Músico, pai, marido, escritor, piadista, pesquisador, estatístico, adestrador de cães selvagens e pseudo-psicólogo, trabalhando com música, terapia e análise estatística."

Thiago Massara thiago.massara7@gmail.com

Embu das Artes - SP, Brasil

(11)9417756851

©2016 by Comida que cura.